sexta-feira, setembro 19, 2014

MESMO SE NADA DER CERTO (Begin Again / Can a Song Save Your Life?)



E John Carney, que ficou mundialmente famoso por um musical abordando relacionamentos, APENAS UMA VEZ (2006), volta a essa agradável mistura no novo MESMO SE NADA DER CERTO (2013). Se o anterior teve destaque no Oscar, ganhando o prêmio de melhor canção para "Falling Slowly", o novo tem como vantagem uma produção americana e a presença dos astros Mark Ruffalo e Keira Knightley.

A linda e magricela atriz inglesa, inclusive, mostra outro de seus dons: saber cantar. Ela não só canta como toca violão. Ela teve que aprender a tocar violão com a ajuda do marido músico. E é justamente nas cenas em que ela canta que o filme chega a um estado de graça. MESMO SE NADA DER CERTO é, antes de tudo, uma declaração de amor à música, deixando um pouco de lado o amor romântico, que nos filmes de Carney parece estarem fadados a serem tratados de maneira mais agridoce. Melhor para seus filmes, que fogem dos clichês de comédias românticas.

É a música que une o casal de protagonistas. Keira Knightley é Gretta, uma jovem inglesa que vem a Nova York acompanhar o namorado músico (Adam Levine, do Maroon 5) em sua primeira turnê americana. Mark Ruffalo é Dan, um produtor musical em crise financeira e existencial devido principalmente à falência da indústria fonográfica. Definitivamente são novos tempos para quem quer se aventurar no mundo da música.

E o filme se situa muito bem nesse período de dificuldade para velhos e novos artistas. Mas os novos conseguem se virar nas redes sociais para divulgarem seus trabalhos. Além do mais, muitos preferem hoje em dia trabalhar em estúdios caseiros, montados em suas próprias casas. Um dos amigos de Gretta, inclusive, apesar de cantar na rua, tem um pequeno estúdio em sua pequena casa.

O ponto de convergência acontece no momento em que Gretta e Dan se conhecem, no momento em que os dois estão vivendo situações difíceis em suas vidas, quando Gretta é convidada a cantar uma de suas canções em um pequeno bar. Dan fica maravilhado e quer contratá-la, embora sua situação na empresa não esteja nada bem. Esse momento é tão importante que é mostrado de três diferentes e interessantes maneiras, dando ao filme uma narrativa que parece uma maré, cheia de indas e vindas, pelo menos até certo ponto.

A grande maioria das canções cantadas por Keira e também pelo cara chato do Maroon 5 são de autoria de Gregg Alexander, aquele sujeito que fundou uma banda de um álbum só, os New Radicals, que fez sucesso em fins dos anos 1990. Até dá para perceber em algumas faixas a semelhança, mas fica muito melhor no formato de balada suave, cantada por Keira e encorpada com os vários instrumentos que compõem a banda, que inicialmente só existe na cabeça de Dan.

A ideia de Dan, já que gravar em um estúdio está longe de suas economias, é gravar na rua, em diversos pontos de Nova York, sem autorização da polícia, inclusive. É em uma dessas sessões ao ar livre que acontece um dos momentos mais bonitos do filme: quando a filha de Dan, Violet, vivida por Hailee Steinfeld, toca guitarra e surpreende a todos com um belo solo.

Outro momento mágico: Dan e Gretta andando nas ruas ouvindo músicas no mesmo headphone com um adaptador. O momento representa uma celebração da vida, dando até vontade de sair para dançar, de tão contagiante que é. Claro que o filme seria chato se as canções não fossem boas. Pelo menos as cantadas por Keira, pois Dan Levine consegue estragar as canções boas nas vezes em que aparece. Assim, MESMO SE NADA DER CERTO se aproxima não apenas de APENAS UMA VEZ, mas também de LETRA & MÚSICA, outro que trata do fazer música.

Nenhum comentário: