sexta-feira, março 26, 2010

TRÊS FILMES "DO BEM"



Atualmente estou fazendo um curso de Inteligência Emocional e o palestrante recomendou alguns vídeos. Nem preciso explicar porque não tive muita boa vontade com os filmes. E olha que nem me considero um sujeito de gosto assim tão sofisticado. Dos vários que ele passou, alguns eu já tinha visto e acabei escolhendo apenas os que mais me interessavam por alguma razão. Também ajudou o fato de a minha irmã ter em seu acervo alguns dos títulos. Procurar ver os filmes mais pela temática do que por suas qualidades fílmicas ajuda um pouco na apreciação.

DUAS VIDAS (The Kid)

Lembro de ter visto o trailer nos cinemas há dez anos e de não ter gostado nada. Lembro também de um amigo meu ter visto o filme e ter gostado bastante. Visto hoje, além de ter estranhado os cabelos de Bruce Willis, estranhei também o fato de o filme ser extremamente suave; de não mostrar personagens bebendo bebidas alcoólicas, nem mencionar sexo, violência ou qualquer outro conteúdo adulto. Será que eu ando vendo filmes violentos demais a ponto de estranhar algo assim? A trama de DUAS VIDAS (2000) é uma espécie de atualização de "Um Conto de Natal", de Charles Dickens. Homem de negócios que não lida bem com as pessoas, maltrata o pai e não consegue ter um relacionamento estável com a garota que o ama recebe a visita de si mesmo aos oito anos de idade. O filme tem bom andamento, uma trilha sonora bem interessante e alguns momentos que servem de lição. Uma boa sessão da tarde.

PODER ALÉM DA VIDA (Peaceful Warrior)

Diferente de DUAS VIDAS, PODER ALÉM DA VIDA (2006) é um tanto aborrecido. Difícil comprar a trama de um jovem ginasta que conhece um estranho senhor que trabalha numa loja de conveniência (Nick Nolte). O senhor é uma espécie de mestre espiritual que mostra ao jovem o caminho da vitória, mesmo depois que o rapaz sofre um acidente e quebra sua perna em várias partes. Mais interessante do que Nick Nolte dando uma de mestre é a bela Amy Smart no papel de sua filha – ou algo do tipo. O filme é um sucesso nas locadoras.

O FAZENDEIRO E DEUS (Faith like Potatoes)

Outro sucesso nas locadoras, O FAZENDEIRO E DEUS (2006) deve mais isso ao fato de ser um filme evangélico. Apesar de eu ter sido criado lendo a Bíblia e indo a escolas dominicais, sempre tive preconceito com esse tipo de filme. E acho que ainda tenho. Mas como um dos meus filmes favoritos de todos os tempos (A PALAVRA, de Carl T. Dreyer) lida com a fé de maneira profunda e eu me emocionei de verdade com a cena da conversão do bandido em CARANDIRU, de Hector Babenco, não custa dar uma chance ao filme. Que não é ruim. Apenas não me emocionou o necessário para que eu possa dizer que gostei. O fato de se passar na zona rural da África do Sul ajuda a manter o interesse, pelo exótico e pelo diferente.

Nenhum comentário: