segunda-feira, junho 12, 2006

TOP 20 ANOS 70



1. DOMICÍLIO CONJUGAL (François Truffaut)
2. MANHATTAN (Woody Allen)
3. O ESTRANHO QUE NÓS AMAMOS (Don Siegel)
4. BARRY LYNDON (Stanley Kubrick)
5. O PODEROSO CHEFÃO (Francis Ford Coppola)



6. O CASAMENTO DE MARIA BRAUN (Rainer Werner Fassbinder)
7. TRISTANA (Luis Buñuel)
8. A VIDA DE BRIAN (Terry Jones)
9. SONHOS DE UM SEDUTOR (Herbert Ross)
10. O JOELHO DE CLAIRE (Eric Rohmer)



11. A MORTE NÃO MANDA RECADO (Sam Peckinpah)
12. FRENESI (Alfred Hitchcock)
13. UM DIA DE CÃO (Sidney Lumet)
14. A RAINHA DIABA (Antonio Carlos da Fontoura)
15. SUSPIRIA (Dario Argento)



16. UM DIA MUITO ESPECIAL (Ettore Scola)
17. SALÒ, OU OS 120 DIAS DE SODOMA (Pier Paolo Pasolini)
18. OS 5 VENENOS DE SHAOLIN (Chang Cheh)
19. ROMA (Federico Fellini)
20. CHINATOWN (Roman Polanski)

Quase entraram: O PASSAGEIRO - PROFISSÃO REPÓRTER, ÂNSIA DE AMAR, CAMINHOS PERIGOSOS, O PODEROSO CHEFÃO - PARTE II, ESSE OBSCURO OBJETO DO DESEJO, TRAMA MACABRA, O QUARTO VERDE, A NOITE AMERICANA, APOCALYPSE NOW, IRMÃS DIABÓLICAS, SOLARIS.

Queria ter tido tempo de rever O PODEROSO CHEFÃO e O PODEROSO CHEFÃO - PARTE II para saber se eles continuam sendo tão bons quanto parecem na minha memória. O mesmo valendo para MANHATTAN, UM DIA DE CÃO ou O CASAMENTO DE MARIA BRAUM. Mas como não posso rever todos eles por enquanto, já vou adiantando o meu ranking da década de 70, uma das mais férteis do cinema em todo o mundo.

Continua valendo a regra das outras listas que fiz, isto é, não pode entrar dois filmes do mesmo diretor. Se bem que eu acabei trapaceando, já que coloquei dois filmes de Woody Allen entre os vinte - apesar de ter sido dirigido por Herbert Ross, SONHOS DE UM SEDUTOR é um autêntico filme de Woody Allen. Se eu pudesse colocar mais de um filme por diretor, o nome de Francis Ford Coppola e Luis Buñuel poderiam aparecer mais vezes. O maior cineasta da Espanha aparece na lista com o genial TRISTANA, com a musa Catherine Deneuve.

O único exemplar do cinema brasileiro foi A RAINHA DIABA. Uma pena eu não ter visto muitos filmes brasileiros dessa década, que, acredito eu, deve ter sido das melhores do nosso cinema. Há também um exemplar do cinema chinês, o excelente OS 5 VENENOS DE SHAOLIN, que conheci recentemente graças à influência de Quentin Tarantino. Outro filme que só fui conhecer dia desses foi o maravilhoso O JOELHO DE CLAIRE, de Eric Rohmer.

O filme que se apresenta no topo da lista, DOMICÍLIO CONJUGAL, de François Truffaut, aparece por razões estritamente pessoais. Inclusive, ele é considerado por muitos o mais fraco da pentalogia de Antoine Doinel. Mas pra mim, trata-se de um filme muito, mas muito, especial.

O genial Stanley Kubrick comparece com BARRY LYNDON, sua obra mais emocional. Quem diria que Kubrick, um cineasta tão cerebral, me faria um dia chorar. Outro filme de causar catarse é a obra-prima O ESTRANHO QUE NÓS AMAMOS, de Don Siegel, que traz uma performance excepcional de Clint Eastwood.

Alfred Hitchcock, nos anos 70, já estava muito velhinho e em fim de carreira, mas o cara ainda mandava muito bem. Sua ausência no cinema ainda hoje é bastante sentida. Dos seus dois filmes da década, optei por FRENESI por ser melhor resolvido e mais redondo, mas também gosto muito de TRAMA MACABRA.

Falando em filmes violentos, um dos grandes mestres da violência, Sam Peckinpah, comparece com um de seus filmes mais líricos e românticos, A MORTE NÃO MANDA RECADO. Por outro lado, a overdose de violência e escatologia de SALÒ, OU OS 120 DIAS DE SODOMA fica na memória da gente forte demais para ser ignorado. Ironicamente, um cineasta que eu nem gosto tanto aparece com uma obra que me deixou impressionado: Federico Fellini e seu ROMA. Ver filme no cinema é outra coisa, hein. Aliás, dos vinte filmes da lista, apenas três eu vi no cinema, graças a exibições especiais.

A lista foi feita por ocasião das votações para melhores das décadas na Liga dos Blogues Cinematográficos.

Nenhum comentário: